Go Ligth! Viaje leve!
Texto: Antônio Calvo - Fonte: Revista Aventura&Ação
16 de janeiro de 2013 - 17:11
 
comentários    
 
  • Arte: Mike Clelland
    Arte: Mike Clelland
  • Arte: Mike Clelland
    " Arte: Mike Clelland
  • Arte: Mike Clelland
    " Arte: Mike Clelland
  • Arte: Mike Clelland
    " Arte: Mike Clelland
  • Arte: Mike Clelland
    " Arte: Mike Clelland
  • Arte: Mike Clelland
    " Arte: Mike Clelland
  • Arte: Mike Clelland
    " Arte: Mike Clelland
  • Foto: Elias Luiz
    Este artigo você também encontra na edição 170 da revista Aventura&Ação. " Arte: Mike Clelland
1 8

Arte: Mike Clelland

todas as imagens
 

No último artigo do Especial Vida ao Ar Livre, o expert Antônio Calvo dá dicas para você aliviar o peso da mochila e aumentar o prazer das expedições na natureza, sem abrir mão da segurança. Arrisque um bivaque, deixe a parafernália tecnológica em casa, seja criativo, resgate técnicas tradicionais, customize seus equipamentos e seja feliz nas suas trilhas pelo mundo.


No primeiro texto desse especial (edição 168), contei a história dos três dias de caminhada na Serra da Mantiqueira, optando por não levar barraca e sair com uma mochila de “apenas” 60 litros. Uma decisão estratégica para caminhar mais leve e desfrutar melhor os caminhos, vivenciar experiências mais intensas e autênticas na natureza e evitar o desgaste físico desnecessário. Para isso, é preciso descobrir quando vale a pena investir na tecnologia, quando é melhor optar pelas técnicas tradicionais, quando é preciso optar pela segurança, ou quando é possível ser básico. Muitas vezes, quando fazemos travessias extensas, ao logo do caminho vamos descobrindo que precisamos de bem pouco para atender nossas necessidades primordiais. Com a experiência, vamos aprendendo o que é, de fato, essencial. Esse conceito simples ficou conhecido entre os mochileiros de diferentes partes do mundo como o “Go Light” ou “Viaje Leve”.

A febre pegou em países como os Estados Unidos, onde diversos fabricantes já produzem equipamentos com este propósito. É possível encontrar mochilas, sacos de dormir e casacos com tecidos mais finos – não menos resistentes – e, portanto, mais leves. O mesmo se aplica a fogareiros e outros equipamentos. Basta, porém, ser criativo para economizar dinheiro, pois muitas alternativas você pode encontrar em casa antes de sair para uma travessia.

O mais importante neste processo é sempre lembrar que viajar mais leve não significa perder o conforto; a ideia, na verdade, é manter a comodidade e a segurança mesmo com uma quantidade menor de itens em sua mochila. O benefício mais óbvio é carregar uma mochila mais leve, o que torna todos os aspectos da viagem mais fáceis e mais divertidos.


PRINCÍPIOS BÁSiCOS PARA UMA MOCHILA BÁSICA

1. Leve equipamento suficiente para ficar seguro, confortável e confiante
O tipo de equipamento pode ser simples e básico, mas ainda assim, precisa lhe prover abrigo, noites bem dormidas, vestuário com boa proteção contra as condições climáticas, alimentação adequada e purificação de água. Confiança também é importante, por isso, troque os seus equipamentos aos poucos e evite ser radical logo de primeira.

2. Saiba o peso de cada item

Pese cada item antes de organizar a mochila, inclusive a própria mochila, calçados, vestuário etc. Ao comprar um produto, veja se é possível economizar alguns gramas optando por uma marca concorrente. Organize uma lista – pode ser a mesma sugerida na edição 168 (Montando a Mochila). Lembre-se que de grão em grão, a galinha enche (ou esvazia) o papo. Menos é sempre mais!

3. Sempre que possível utilize itens com múltiplas funções
Um bom exemplo é a bandana que pode ser usada para proteger a nuca ou o rosto do sol (ou do frio), pode ser usada para higiene, como protetor de mãos ao pegar uma panela quente, como tecido para limpar óculos e muito mais. É um dos poucos itens de algodão bem-vindos na lista.

4. Cuide primeiro dos itens pesados
O maior potencial para economia de peso são os itens pesados como mochila, o sistema de dormir como saco de dormir e isolante térmico, abrigo, alimentação e sistema de cozinha como comida, fogareiro e água.

5. Quando escolher um equipamento, opte pelo menor tamanho que satisfaça as suas necessidades
Equipamentos maiores normalmente são mais pesados que os menores.

6. Julgue a necessidade real de levar um equipamento respondendo a algumas perguntas
É útil? É seguro? É leve? É compacto?

 

 

ITEM POR ITEM

Mochila
Quanto maior o número de bolsos numa mochila, maior será o seu peso. Também deve ser levado em consideração o tipo de tecido em sua fabricação. Eu adoro as mochilas tipo saco, aquelas que têm apenas um compartimento principal com, no máximo, dois bolsos na lateral externa e outro superior, nada mais. Alguns fabricantes adoram colocar diversas fitas de compressão e clipes para pendurar equipamentos, mas cuidado porque isso só acrescenta peso no produto!

Abrigo
É fácil entender porque a barraca é provavelmente o item mais pesado, então, antes de colocá-la nas costas certifique-se de que você precisa de uma! Por que não se hospedar sob um céu estrelado? Experimente acampar sob um toldo e aproveite para torná-lo multifunção (Princípio 3) pois, além de abrigo, um toldo bem montado serve também como área para a cozinha. Não se sentiu confortável com esta ideia? Uma alternativa são as barracas single wall de apenas um tecido, ou seja, você monta apenas o tecido que protege da chuva e do vento, deixando o mosquiteiro para trás.

Sistema de dormir
Opte pelos isolantes térmicos que protegem o tronco em detrimento daqueles de “corpo inteiro”. A melhor maneira de fazer isso é cortar um isolante de espuma no comprimento dos ombros aos joelhos. Já para os sacos de dormir, aproveite para levar um mais leve para temperaturas mais amenas e durma com todas as roupas que trouxe.

Sistema de cozinha
Espiriteiras são muito mais leves e compactas do que os fogareiros tradicionais. Utilize um corta-vento ao redor do fogo para não perder o calor e acelerar o processo. Opte por panelas sem cabo – neste caso você precisa de um pegador de panelas ou aquela bandana multifuncional. Utilize apenas uma colher, afinal, ela é muito mais multifunção que o garfo, ou você inventou uma técnica de tomar sopa de garfo?

Cortante
Deixe aquele canivete com kit de sobrevivência e alicate em casa. Além de ser um conjunto pesado, é desnecessário – confie em mim – você nunca usará todas as suas peças; portanto, esse não é um item que se encaixa na lista de multifuncionais vantajosos. Um canivete com apenas uma lâmina é o que você precisa.

Luz
Escolha as lanternas de cabeça compactas com duas pilhas palitos (AAA). Deixe em casa o holofote que herdou do avô, aquele que ilumina 100 metros e pesa uma tonelada.

Navegação
Aprenda a navegar com mapa e bússola para não levar o GPS caro de última geração. É muito mais gostoso “brincar” com um mapa topográfico do que ficar seguindo uma seta na tela do GPS.

 


Antônio Calvo
www.armazemaventura.com.br