A escalada da Agulha do Diabo
da redação, Waldemar Niclevicz
19 de agosto de 2012 - 9:21
 
comentários    
 
  • Foto: www.niclevicz.com.br
    Apareço superando o Cavalinho “por fora”, em oposição. Foto: www.niclevicz.com.br
  • Foto: www.niclevicz.com.br
    Meu amigo Ezequiel Gongora em plena Chaminé da Unha." Foto: www.niclevicz.com.br
  • Foto: www.niclevicz.com.br
    A “Agulha do Diabo”, vista do “Mirante do Inferno”. " Foto: www.niclevicz.com.br
  • Foto: www.niclevicz.com.br
    Vista do alto da Agulha do Diabo, a cidade de Teresópolis aparece parcialmente sob as nuvens, e ao fundo se destaca os Três Picos (Salinas)." Foto: www.niclevicz.com.br
1 4

Apareço superando o Cavalinho “por fora”, em oposição. Foto: www.niclevicz.com.br

todas as imagens
 

Estimados Amigos,

Realizando palestras eu ganho muito mais do que dinheiro, ganho a imensurável satisfação de inspirar as pessoas a acreditarem mais em si mesmas e a valorosa oportunidade de viabilizar os meus próprios sonhos, pois, como o patrocino é algo completamente incerto em nosso País, as palestras é que realmente garantem a realização das minhas expedições.

Semana passada estive em Fortaleza (Laboratório Merck), esta semana já estive em Brasília (Citroën), semana que vem vou estar em Atibaia (Arcor) e também em São Paulo (Volkswagen). Agradeço imensamente a estas empresas por me contratarem para as palestras, espero que até o final do ano o interesse pelas minhas apresentações continue, pois para 2013 já tenho um novo Projeto, que em breve será divulgado com uma nova versão do meu site.

E como o tempo passa rápido, já estou aproveitando todas as possibilidades para treinar, afinal, para superar grandes desafios é preciso estar bem preparado.

Uma de minhas últimas escaladas foi a da Agulha do Diabo, um belo obelisco de rocha que atinge os 2.050 metros de altitude, bem no coração da Serra dos Órgãos, no Rio de Janeiro. Como havia acontecido há “quinze” anos, meu companheiro nesta que é considerada uma das mais lindas escaladas do mundo, foi o meu querido amigo Ezequiel Gongora, do Centro Excursionista Brasileiro, o primeiro clube de montanhismo do Brasil, do qual me orgulho de ser “sócio honorário”.

Nossa grande aventura começou no amanhecer do último dia 14 de julho, quando entramos na sede do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, em Teresópolis, sob ameaça de chuva, mas, à medida que ganhávamos altura, a umidade ficou para baixo, formando um magnífico mar de nuvens.

Depois de vencer mil metros de desnível em quatro horas de caminhada, estávamos na base desta bela criação Divina, que originalmente era chamada de “Penhasco Fantasma”, mas que, por uma iniciativa de um de seus conquistadores, isso em 1941, passou a ser chamada de Agulha do Diabo. É quase incompreensível a razão de este nome ter se consolidado, uma vez que as montanhas próximas têm nomes bem menos “assustadores”, como Santo Antônio, São Pedro, São João, Frade e Dedo de Deus.

Atualmente, a Agulha do Diabo é conhecida mundialmente, em 2009 foi considerada uma das 15 escaladas mais espetaculares do mundo (confira no http://www.hottnez.com/the-15-most-spectacular-rock-climbs/). Sua escalada é feita no mais puro “estilo aventura”, pela mesma rota que levou praticamente três anos para ser aberta pelos conquistadores. Graduada na época como um 3º+, hoje pode ser considerada um 5º, em razão de terem sidos removidos dois cabos de aço que foram colocados por ocasião da conquista, restando atualmente apenas um cabo de aço nos metros finais (cerca de 20 metros, que foram restaurados em 2000).

A grande sensação da escalada é o “Cavalinho” e a famosa “Chaminé da Unha”. O Cavalinho é uma fenda horizontal em leve ascensão, que pode ser feita montando-se sobre a sua aresta, como se estivesse “cavalgando” ou “rastejando”. É melhor entrar “em oposição” na borda da aresta e fazer a travessia “por fora”, bem mais rápido e bonito, embora exija mais confiança do escalador, pois abaixo surge um abismo profundo.

Passando o Cavalinho, se entra na Chaminé da Unha, que é bem fiel ao seu nome, uma gigantesca lasca de rocha apoiada sobre o corpo da Agulha, com aproximadamente 18 metros de altura. Quanto mais alto, mais larga é a chaminé, exigindo novamente um pouco de frieza de quem está guiando, pois nessa parte existe apenas um grampo, mas apenas perto do final da unha, pouco antes de chegar ao cabo de aço que leva ao cume.

Em breve: um novo site, um novo projeto, um novo livro, um novo sonho!

 

P.S.: Mais informações para quem quiser visitar o Parque Nacional da Serra dos Órgãos.

 


Namastê!
Waldemar Niclevicz
www.niclevicz.com.br