Extremos
 
'Vi um menino com rosto congelado', diz sobrevivente da avalanche no Nepal
 
da Redação: Elias Luiz
18 de outubro de 2014 - 16:00
 
 
Mapa da região onde foram encontrados os corpos na região do Annapurna. (Imagem: Divulgação)
 
Atualizado: 21.10.2014 - 9h40 - Um representante do Governo do Nepal anunciou ontem que está concluida as operações de busca e salvamento após as tempestades de neve e avalanches, na semana passada. Não há informações de que ainda existam desaparecidos na região.

 

Novas regras para os circuitos de trekking
A agência Associated Press informou que as autoridades nepalesas planejam introduzir novas regras de segurança nos circuitos de trekking para próxima primavera (março, abril e maio), quando a nova temporada começa. Trekkers e montanhistas serão obrigados a contratarem guias locais e alugar um dispositivo GPS que indica a localidade de cada um, o que facilitaria nas operações de resgate quando solicitado.

Os trekkers mortos nos acontecimentos da semana passada são canadenses, poloneses, israelenses, indianos e nepaleses. Até o momento o número de mortos é de 41 e 500 resgatados, mas esses números podem aumentar quando for feita a contagem final.

 

Publicado: 18.10.2014 - 16h00 - O número de mortos na nevasca que encobriu mochileiros em uma rota popular de escalada no Nepal aumentou em nove neste sábado totalizando 39 corpos, enquanto um helicóptero avistava mais pessoas presas no terreno coberto de neve do Himalaia.

Mais sessenta delas foram resgatadas com vida na trilha do Circuito do Annapurna, uma rota de três semanas de caminhada, popular entre turistas aventureiros que dá a volta na décima maior montanha do mundo, totalizando agora 371 pessoas salvas.

Dezenas ainda estão desaparecidas

"Nós avistamos nove corpos hoje", disse Govinda Pathak, chefe de polícia no distrito de Mustang. "Nós não pudemos recuperá-los por conta das más condições do clima e a neve. Eu posso confirmar que o número é de 39 agora."


Relato dos sobreviventes
Sobreviventes de uma das mais mortais avalanches do Nepal, dizem ter vivido momentos de desespero e medo.

"O chão ficou da mesma cor que o céu, e era difícil saber para que lado era subida e para que lado era a descida da montanha."- disse à BBC o britânico Paul Sheridan, um dos montanhistas sobreviventes.
Ele diz que, em meio à avalanche, conseguiu se juntar a outros montanhistas, mas logo percebeu que eles tampouco sabiam para onde ir.

"Me vi em uma situação de absoluto medo e terror. Olhei ao redor e vi um menino nepalês com o rosto congelado e olhos que pareciam de vidro. Nós dois (o menino e Sheridan) começamos a chorar. Não sabia se ele sobreviveria, porque os ferimentos em seu rosto eram terríveis. Olhávamos ao redor e só víamos branco (da neve). Passávamos minutos sem conseguir ver nada."- segue Sheridan.

Tinha certeza de que ia morrer
A tragédia ocorreu no auge da temporada de trekking do Himalaia, no conhecido Circuito Annapurna, e entre as vítimas há trekkers, guias e moradores locais, de nacionalidades nepalesa, canadense, israelense, indiana, eslovaca e polonesa, entre outras.

Nesta sexta-feira, equipes de resgate a pé e em helicópteros retomaram as buscas e conseguiram encontrar mais 60 escaladores sobreviventes.

"Eu tinha certeza de que ia morrer. Me perdi do meu grupo, não conseguia ver nada e estava com neve até a cintura. Ficar parado ou se mover parecia perigoso.", disse aos jornalistas outra sobrevivente, a israelense Linor Kajan.
Um dos feridos disse à BBC, no hospital, que os trekkers foram atingidos por duas tempestades que caíram em apenas uma hora.

Após duras críticas dos montanhistas, o governo do Nepal prometeu estabelecer um sistema de alerta meteorológico na região.

A avalanche de terça-feira havia sido prevista, mas muitos dos escaladores dizem ter sido pegos de surpresa por sua força, enquanto se dirigiam a uma passagem montanhosa, perto da qual ficaram retidos.