Transmantiqueira?
Texto: Antônio Calvo
1 de novembro de 2013 - 18:00
 
comentários    
 
  • Foto: Antônio Calvo
    Antônio durante travessia do Marins-Itaguaré. Foto: Antônio Calvo
  • Foto: Divulgação
    Antônio aproveitando uma abertura no mal tempo do início da viagem para tirar uma foto. Ao fundo o Pico do Papagaio. Foto: Divulgação
  • Foto: Divulgação
    Um pequeno toldo servia como área de cozinha, além de permitir um bivak para quem dormia fora da barraca. Foto: Divulgação
  • Foto: Divulgação
    Navegando com mapa e bússola. O trio passou por lugares que não conheciam, além do mal tempo - neblina - que não ajudou no início. Foto: Divulgação
  • Foto: Divulgação
    Hora do jantar. Nada de miojo ou comida desidratada! Foto: Divulgação
  • Foto: Divulgação
    Mapa da travessia. Foto: Divulgação
  • Foto: Divulgação
    Cume das Agulhas Negras com Nelson Barretta. Além de participar das caminhadas dentro no parque, ajudou no reabastecimento da comida. Foto: Divulgação
  • Foto: Divulgação
    Paul numa das belas cristas da Serra Fina. Foto: Divulgação
  • Foto: Divulgação
    Planejando a comida para os 15 dias de caminhada. Foto: Divulgação
1 9

Antônio durante travessia do Marins-Itaguaré. Foto: Antônio Calvo

todas as imagens
 

Em julho de 2005, junto com mais dois amigos, Paul Colas Rosas e Renato “BH” Marques, atravessei parte da Serra da Mantiqueira num percurso de 230 km em 15 dias ininterruptos de caminhada entre Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Conectamos numa única tacada os maciços mais famosos da região: Serra do Papagaio e Charco, Itatiaia, Serra Fina e Marins-Itaguaré. Na época, estudantes universitários e ávidos por aventura, a viagem me pareceu o “nectar dos Deuses”. E foi mesmo, durante muito tempo.

Mas oito anos depois ao olhar para trás esta bela empreitada e refletir sobre o passado, pergunto-me se o néctar era tão doce assim. Vamos direto ao ponto: Transmantiqueira. Hoje esse nome não me parece mais adequado porque, simplesmente, não chegamos nem perto de atravessar toda a extensão da Mantiqueira! O que realizamos foi apenas um punhado de montanhas e travessias, provavelmente as mais belas e difíceis da região.

Os tempos eram outros e a história ganhou destaque. Na edição # 129 da revista Aventura & Ação o subtítulo anunciava que “finalmente, foi realizado o sonho da Transmantiqueira, a extensa trilha que liga as montanhas da Serra do Papagaio, Serra do Charco, Itatiaia, Serra Fina e Itaguaré-Marins”. O texto começava com a seguinte frase:


“Quem achava que o Brasil não era um país de montanhas se enganou. Em julho deste ano realizamos a Expedição Mantiqueira: Terras Altas do Sudeste Brasileiro com o objetivo de implantar e divulgar uma das maiores trilhas de montanhismo do sudeste do Brasil. Os resultados? Um percurso de 230 km em 15 dias ininterruptos de muita montanha entre os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, unificando quatro dos principais maciços da Mantiqueira: a Serra do Papagaio e Serra do Charco, o Itatiaia, a Serra Fina e o Itaguaré-Marins.”

Implantar? Quanta pretensão! Esquecemos de mencionar que os índios, depois os Bandeirantes e em seguida os “locais” já cruzavam as Terras Altas do Sudeste Brasileiro em busca de sobrevivência, caça, ouro, comércio e dinheiro. Além do mais, nestes oitos anos escutei histórias - nunca comprovadas! - de outros caminhantes que teriam realizado feito semelhante. Menos Antônio, menos... mas a viagem foi um sucesso e valeu a aventura.

Voltei para casa convicto da vitória, de peito erguido, com histórias para contar. E depois nunca parei de visitar a região. Voltei inúmeras vezes às Terras Altas trabalhando como instrutor em expedições de Educação ao Ar Livre. Descobri lugares novos, mágicos, pouco explorados e, claro, ganhei horas de vôo.

Muitos continuam perguntando sobre a travessia. A resposta é a mesma: “Vai, vai porque o lugar é lindo. Os maciços são mágicos. A Mantiqueira é especial”. E ao responder todas estas perguntas, lembro-me do querido amigo José Cutrale, uma pessoa muito espiritualizada, que me disse um dia quando voltei dos 774 Km do Caminho de Santiago de Compostela na Espanha: “Antônio, você poderia ter aprendido as mesmas lições dando uma volta no quarteirão. Bastava estar aberto para isso”.





Boas caminhadas.


Antônio Calvo
www.armazemaventura.com.br